30 de mai de 2011

Feliz, sem você.


Manipulada, desconsertada. Ninguém seria capaz de conheceste tão bem quanto eu. Criei você, amei, eduquei, apresentei sabores, apresentei tudo que sabe de bom. Tudo está bagunçado agora, estamos desmontadas, não entendo se ainda te quero como companhia eterna, preciso pisar, pisar em você para sorrir um pouco, mesmo que seja uma sensação passageira. Se você me ama, se não me ama, nada importa muito agora. Não estou precisando de suas mãos, por enquanto. Mesmo que precise, será somente no começo, e os começos não duram muito tempo, posso suportar. Meus sorrisos estão tão felizes sem você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário